INSIRA SEU EMAIL PARA RECEBER GRATUITAMENTE DICAS, INFORMAÇÕES E NOVIDADES

sexta-feira

Currículo mentiroso: vale a pena?

Você viu aqui no blog a série "Top Ten – Dicas que valorizam sua imagem e divulgação profissional". Há muito que profissionais e empresas especializadas na elaboração de currículos acreditam que um "pequeno exagero" vale a pena para gerar entrevistas. Já ouvi de um profissional:
- Na hora H eu driblo e falo a verdade. O que eu quero é ser entrevistado!

É claro que todos querem a oportunidade de estar frente a frente com o Selecionador, o que devemos refletir - e muito - é se vale a pena mentir para desmentir posteriormente. No pior dos casos a revelação da verdade vem no dia a dia, após a contratação. Há situações em que o profissional é demitido sumariamente e deixa uma marca nada apropriada em sua imagem.

Veja alguns trechos da matéria da Revista Exame "As Estratégias que os recrutadores usam para descobrir mentiras nos currículos".
Pesquisa realizada neste ano pela Robert Half em 11 países, mostra que, aos olhos dos recrutadores, os currículos não são tão confiáveis. Dos 2.500 executivos de finanças e recursos humanos entrevistados, 48% afirmam que os candidatos exageram.

No Brasil, o dado é que 42% dos 208 ouvidos não confiam nos currículos. E, para a maioria dos executivos, os candidatos mentem mais na hora de descrever suas reais responsabilidades na carreira.

Veja o que as empresas fazem:
  • comparação das informações do currículo ocorre em redes sociais (Facebook e Orkut) e profissionais (LinkedIn);
  • busca de informações com superiores, pares, funcionários das empresas recentes ou anteriores que o candidato listou;
  • o candidato que enviar dois currículos para a mesma consultoria, com informações contraditórias ou diferentes, é desconsiderado do banco de dados;
  • contato com as principais faculdades e acesso à lista de formandos e checagem de conclusão de curso
Estas são algumas "checagens" e há outras. E mesmo sabendo que, legalmente, certas análises são proibidas (como serviço de proteção ao crédito ou antecedentes criminais, por exemplo), há organizações especializadas nisso, cobram (e bem!) pelo serviço e o volume de trabalho cada vez aumenta mais.

O deputado Carlos Bezerra (PMDB/MT) está com o Projeto de Lei 6561/09 tramitando na Câmara dos Deputados, que prevê pena de dois meses a dois anos para quem mente no currículo.

Pergunto novamente: vale a pena mentir no currículo?

Bjs e até!

Nenhum comentário: